Somos Todos Zumbis A Maior Parte Do Tempo

Eu sei que essa alegação vai causar polêmica.

Mas se essa polêmica servir para chamar a sua atenção para esse conteúdo, de extrema importância para sua vida, já me darei por satisfeito.

Na minha opinião essa alegação é verdadeira e vou te explicar porquê ao longo desse artigo.

Só espero que você mantenha a mente aberta e espere a última frase para começar a julgar o que eu escrevi.

Ontem à noite eu estava revendo um documentário que eu vi há cerca de dez anos.

Ao rever esse documentário notei que não havia percebido, na primeira vez, nem 10% de tudo que ele dizia.

O interessante é que na ocasião eu havia achado o vídeo impressionante e revolucionário para minha vida.

Já ontem eu percebi que havia nesse documentário informações muito mais relevantes e que eu levei 10 anos para aprender, através de outros meios.

Mas como é possível nós assistirmos um documentário, acreditar ter percebido toda a informação que esse documentário forneceu e mais tarde vir a descobrir que não percebeu 90% do que estava sendo dito?

Acontece que esse fato me deixou presente para duas situações.

Nós realmente não percebemos tudo que está à nossa volta, como acreditamos.

E segundo, que as decisões que tomamos, em sua maioria, não está sobre a nossa influência direta.

Não Percebemos O Mundo Como Ele É

Mas o que eu quis dizer quando eu disse que não percebemos tudo à nossa volta como acreditamos?

Que muita informação passa ao nosso redor, informação que consideraríamos muito importante, mas que não percebemos porque nossa atenção está voltada para outra coisa.

O incrível é que essa outra coisa pode estar a milímetros daquilo que estamos procurando, sem que tenhamos consciência disso.

Tá bom, me deixe esclarecer. Havia dezenas de informações importantes naquele vídeo e mesmo estando assistindo com toda atenção, eu não conseguia perceber.

A verdade é que eu não estava assistindo com toda a atenção, conforme eu acreditava na ocasião.

Percebi que a medida que eu assimilava uma informação, minha mente começava a viajar e perdia o próximo conteúdo.

Isso acontecia com tanta frequência que eu só consegui perceber 10% do que estava sendo dito na ocasião.

Os outros 90% do tempo eu estava viajando naquilo que tinha percebido, enquanto isso o vídeo rolava.

Adivinha com que se parece uma pessoa que tá olhando fixamente para algo, mas pensando em outra coisa.

Isso mesmo. Com um Zumbi!

As Decisões Que Não Tomamos

Se eu tivesse absorvido mais daquele conteúdo, a maioria das decisões que tomei nos últimos 10 anos seriam diferentes.

Daria para escrever uma dissertação de neurociência a partir dessa afirmação, mas é o nosso subconsciente que toma as nossas decisões.

Ele faz isso de uma forma que nós acabamos não percebendo.

Às vezes ele chega criar lógicas totalmente próprias, para justificar decisões que acreditamos estar tomando baseado em fatos, mas que na verdade tomamos baseados em sentimentos.

Na verdade é ele que nos impele a escolher algo e ele faz isso a partir do que o programamos para fazer.

Dessa forma nosso subconsciente nos mantém sobre determinados limites, sem que percebamos estes limites.

E se você está se perguntando de onde vem esses limites, eles vem daquilo em que acreditamos ser os nossos limites.

Vem daquilo que alimentamos o nosso subconsciente para acreditar ser o ponto máximo que podemos alcançar em cada área da nossa vida.

Eu me considero um zumbi, quando continuo reagindo ao mundo, de acordo com o que programei na minha mente 20 anos atrás.

É óbvio que agir dessa forma faz com que permaneçamos parados no tempo, sem evoluir. Assim como os Zumbis!

Num próximo artigo contarei como eu faço para garantir que as decisões que eu tomarei, serão melhores a cada dia.

Faço isso deixando de tentar decidir de forma consciente, mas programando a minha mente para tomar as melhores decisões, quando forem necessárias.

Por hora eu espero que você tenha gostado deste artigo.

Se for esse o caso, deixe um comentário abaixo me dizendo que você achou.

Se você também não gostou pode colocar a sua crítica. Ela também será muito bem-vinda.

Nós vamos adiante.

Um abraço.
Felipe Baqui

Felipe Baqui

Felipe Baqui é analista de sistemas, advanced coach, especialista em desenvolvimento pessoal, tecnologia e marketing digital. Enfrentou aos 22 anos, a falência traumática de sua empresa. 10 anos depois começou um processo de autoconhecimento que possibilitou que hoje ele trabalhasse ajudando pessoas em processos de superação de grandes problemas.

Website: https://felipebaqui.com.br

2 Comentários

  1. DJALMA MIRANDA

    Muito bom ! Concordo com que você disse, eu sou quase analfabeto mas sou autodidata, tudo que aprendi foi através dos livros e agora recentemente pela internet porque até então eu era analfabeto virtual. Eu acredito que parecemos zumbis por causa desse marxismo cultural imposta pela elite dominante, mas também acredito que tem meios para driblar isso.

    • Obrigado por seu comentário Djalma! Achei muito pertinente, embora eu tenha que discordar do fato de que há algo imposto a nós por uma elite dominante. Na minha opinião, nós é que focamos naquilo que não nos leva a lugar algum e depois buscamos justificativas, no ambiente, para nossos fracassos. Por isso a importância de estar consciente para a qualidade das informações a que damos atenção, para que nossa mente seja exposta apenas a assuntos que nos engrandeçam e nos ajudem na nossa empreitada rumo ao sucesso. Grande Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *